Notícias
Patrocinador da Copa do Brasil: Continental Pneus
Com novo patrocinador, a Continental Pneus, a Copa do Brasil já tem seus confrontos da primeira fase definidos: relembre aqui quem o seu time enfrenta! O campeonato começa em março e vai até novembro. A competição conta com 80 clubes na fase inicial e, como em todos os anos, haverá pelo menos um representante de cada Estado. O sistema mata-mata deixa o campeonato ainda mais empolgante. Vale lembrar que nas duas primeiras fases, se o visitante vencer por dois ou mais gols de diferença, estará automaticamente classificado para a etapa seguinte. Os seis clubes classificados para a Libertadores entrarão na Copa do Brasil nas oitavas de final, quando haverá um novo sorteio para definição dos confrontos. É muita emoção ao longo de 2016! Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
CBF divulga documentos técnicos e tabela básica
A diretoria de Competições da CBF divulgou, nesta sexta-feira (15), os documentos técnicos da Copa do Brasil 2016: Plano Geral de Ação, Regulamento Específico da Competição, Diagrama de confrontos e a Tabela Básica do campeonato, com as datas em que as rodadas de jogos acontecerão. Os duelos começam no dia 16 de março. As datas dos dois jogos (ida e volta) das finais serão 23 e 30 de novembro. POR DENTRO DA COMPETIÇÃO: Sorteio definiu os confrontos da Primeira Fase da Copa do Brasil Os jogos de ida e volta da Primeira Fase serão distribuídos entre as datas 16/03, 06/04, 13/04, 20/04 ou 27/04. A Segunda Fase será nos dias 04/05, 11/05 ou 18/05. A terceira etapa será no mês de julho: dias 06/07, 13/07, 20/07 ou 27/07. As fases de oitavas de final e quartas de final terão os confrontos definidos por meio de sorteio. Confira abaixo nos documentos todos os detalhes da Copa do Brasil 2016. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Copa do Brasil: distâncias unem paixão pela bola
As bolinhas rodaram e a sorte determinou o destino dos oitenta times da primeira fase da Copa do Brasil 2016. Serão quarenta confrontos distribuídos pelas cinco regiões do Brasil. O deslocamento entre a cidade de origem do clube e o local da partida é um dos critérios que geram muita expectativa de dirigentes e técnicos. Em 2016, tem equipe que vai percorrer um longo caminho antes de entrar em campo. O sorteio reservou as maiores viagens para os duelos entre Asa e Genus-RO e Vitória x Náutico-RR. Genus (RO) X Asa (AL) Quase três mil quilômetros de distância separam Arapiraca, cidade do ASA, em Alagoas, da capital Porto Velho, em Rondônia, onde o primeiro jogo será realizado. Para visitar o Genus, o Alvinegro Alagoano terá de cruzar o norte do país do leste ao oeste. Náutico (RR) X Vitória (BA) O Vitória fará caminho parecido ao do Asa, percorrendo basicamente a mesma distância para o duelo contra o Náutico. São cerca de três mil quilômetros entre Salvador e Caracaraí, em Roraima, município em que jogará contra o seu oponente na primeira fase. As menores distâncias Quem não precisará passar tanto tempo viajando são os acreanos Rio Branco e Galvez. Ambas as equipes jogam na capital do Acre e não terão que cruzar a fronteira do município para se enfrentar. O sorteio definiu mais um confronto estadual na primeira fase: o Paysandu sairá de Belém para visitar o Independente-PA, em Tucuruí, que fica a aproximadamente 290 quilômetros da capital paraense. VEJA TAMBÉM: Gigantes regionais podem duelar já na 2ª fase Outro confronto inusitado definido pelo sorteio da Copa do Brasil foi o duelo entre homônimos. O Santos FC, de São Paulo, enfrentará o Santos do Amapá, após uma viagem de mais de 2,7 mil quilômetros, que cruzará o Brasil da região Sudeste até Macapá, no norte do Amapá. O trajeto a ser percorrido pelo Alvinegro Praiano é similar ao que o Coritiba terá que fazer. O Coxa Branca sairá da capital paranaense para visitar o Guarany de Sobral, no interior cearense. Confira a distância aproximada que os 10 clubes participantes melhores posicionados no ranking da CBF percorrerão nesta primeira fase: Santos* x Santos (AP) - 2,7 mil km (de Santos a Macapá) Goiás* x River (PI) - 1,4 mil km (de Goiânia a Teresina) Vasco* x Remo (PA) - 2,4 mil km (do Rio de Janeiro a Belém) Cruzeiro* x Campinense (PB) - 1,6 mil km (de Belo Horizonte a Campina Grande) Coritiba* x Guarany (CE) - 2,6 mil km (de Curitiba a Sobral) Atlético (PR)* x Brasil de Pelotas (RS)- 766 km (de Curitiba a Pelotas) Flamengo* x Confiança (SE)- 1,4 mil km (do Rio de Janeiro a Aracaju) Fluminense* x Tombense (MG) - 252 km (Rio de Janeiro a Tombos) Figueirense* x Lajeadense (RS) - 393 km (Florianópolis a Lajeado) Botafogo* x Coruripe (AL) - 1,6 mil km (Rio de Janeiro a Coruripe) * Equipes jogam segunda partida em casa, caso não vençam o primeiro jogo com mais de dois gols de diferença. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Gigantes regionais podem duelar já na 2ª fase
A Copa do Brasil é uma competição que reserva emoção para as torcidas de todos os cantos do país. Em 2016 não será diferente. No sorteio dos confrontos da primeira fase do torneio, nesta segunda-feira (11), algumas possibilidades de duelos se desenharam. Haja coração para as torcidas de Santa Cruz e Náutico, no Recife; de Paraná e Atlético Paranaense, em Curitiba; e de ABC e América, em Natal. Essas equipes podem promover clássicos já na segunda fase da Copa do Brasil, de acordo com o chaveamento e os resultados na primeira fase. CLIQUE AQUI e confira todas as chaves e confrontos da primeira fase da Copa do Brasil O vice-presidente do ABC, Leonardo Câmara, acompanhou o sorteio e comentou a possibilidade do encontro entre os rivais do Rio Grande do Norte. – A possibilidade do clássico acontecer pode ser o novo na competição. Nós esperemos passar para a próxima fase. Vamos viver agora o ressurgimento do ABC. Fomos rebaixados no ano do centenário e 2016 será o nosso recomeço – disse o dirigente. Inter de Lages e Ponte Preta esperam confrontos difíceis O Internacional de Lages encara o Sampaio Corrêa na primeira fase da Copa do Brasil. Cristopher Nazário Nunes, presidente do clube de Santa Catarina, comentou que o adversário é difícil, mas que a equipe vai buscar a vaga. – Adversário muito difícil. Time terminou em 8º lugar na Série B. Sampaio tem uma torcida muito grande e vem se consolidando no futebol brasileiro. Vamos encarar e tentar jogar de igual para igual. Nosso objetivo é poder brigar para passar para a segunda fase. Queremos enfrentar uma grande equipe do Brasil. Mas só de estar na competição já é um orgulho para a nossa cidade – ressaltou. O vice-presidente da Ponte Preta, Giovanni Dimarzio, também acredita que o seu time não terá vida fácil diante da Caldense, em Minas Gerais. O dirigente, no entanto, destacou que o deslocamento para a partida é um ponto positivo. – Pegamos um confronto complicado. É um time tradicional de Minas. Positivo é só a distância. Nossa expectativa é fazer uma boa competição. Mantivemos 60% do elenco que foi muito bem em 2015. Repusemos as perdas. Por tudo que estamos fazendo, o nosso objetivo é fazer uma boa Copa do Brasil para o nosso torcedor. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
"Copa do Brasil permite a todos sonhar"
O presidente em exercício da CBF, Antônio Nunes de Lima, reforçou o caráter democrático da Copa do Brasil em discurso na abertura do sorteio dos confrontos da primeira fase da competição, realizado na tarde desta segunda-feira (11), no auditório da sede da CBF. – Damos início hoje à competição mais democrática do país. É o momento inicial de uma caminhada que a todos permite sonhar. Já tivemos exemplos, e não são raros, de que a Copa do Brasil é uma competição empolgante, que dá chance para o surgimento de novos protagonistas no futebol brasileiro. Não é por acaso que, em 27 edições, foram 15 campeões diferentes – disse. Antônio Nunes destacou que a competição é a única que envolve os 27 estados da federação e mobiliza, nessa primeira fase, 63 municípios. Só na região nordeste, são 19 cidades envolvidas. – A Copa do Brasil terá, em 2016, o mesmo sucesso que vem apresentando em suas últimas edições com grandes clássicos, estádios lotados e receitas importantes. É nesse intuito que trabalhamos aqui na CBF, onde organizamos 14 competições, contemplando profissionais, categorias de base e futebol feminino. Entendemos, desta forma, que faremos do futebol um produto cada vez mais grandioso, valorizando federações, clubes e todos os trabalhadores que compõem a gigantesca engrenagem do futebol brasileiro – encerrou. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Galeria Nikon
#FlashesCopaSadiadoBrasil2015
Fluminense x Grêmio - Quartas de final da Copa Sadia do Brasil...
Leia Mais...
Notícias
Confira os confrontos da 1ª fase da Copa do Brasil
Começou! Os confrontos da primeira fase da Copa do Brasil 2016 foram definidos na tarde desta segunda-feira (11), em sorteio realizado no auditório da sede da CBF. Confira os confrontos: Internacional (SC) X Sampaio Corrêa Imperatriz X Fortaleza Juazeirense X Cuiabá Tocantinópolis X Juventude Ferroviária X Salgueiro Linense X Botafogo (PB) Paraupebas X Londrina Dom Bosco X Nacional Galvez X Rio Branco Ivinhema X CRB Gama X América (RN) Independente X Paysandu Ypiranga X Atlético-GO Brasília X Bragantino Rio Branco (ES) X Santa Cruz Genus X Asa Parnahyba X Portuguesa Estanciano X Paraná Comercial X Joinville Red Bull Brasil X América (MG) Vitória da Conquista X Náutico Goianésia X ABC Resende X Ceará Globo X Bahia Operário (MT) X Avaí Náutico (RR) X Vitória Aparecidense X Sport Princesa de Solimões X Chapecoense Caldense X Ponte Preta Operário (PR) X Criciúma Brasil de Pelotas X Atlético Paranaense Remo X Vasco Confiança X Flamengo Tombense X Fluminense Campinense X Cruzeiro Santos (AP) X Santos Coruripe X Botafogo Ríver X Goiás Guarany X Coritiba Lajeadense X Figueirense Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Sorteio define a primeira fase da Copa do Brasil
Vai começa o torneio de clubes mais democrático do futebol brasileiro. Nesta segunda-feira (11), às 14h30, a CBF realiza o sorteio da primeira fase da competição. A Copa do Brasil reunirá 80 equipes na nesta etapa, que disputam, em sistema de mata-mata, uma vaga nas próximas etapas até o título, que garante uma vaga na Copa Libertadores 2017. O sorteioDe acordo com o Ranking Nacional de Clubes da CBF, os clubes serão divididos em oito grupos de A a H. Estes grupos serão separados em blocos 1 e 2 da seguinte forma: grupos A, B, C e D são do bloco 1, enquanto E, F, G e H compõem o bloco 2. Um bloco enfrentará o outro, de maneira que os times do grupo A encontrem os times do grupo E, as equipes do grupo B enfrentem as equipes do grupo F, e assim por diante. Confira os critérios para a divisão nos grupos Em cada um dos grupos, os clubes serão distribuídos em dez chaves. Para realizar essa divisão, um pote com bolas numeradas de 1 a 10, em que cada bola representará uma chave. Para começar, será sorteada uma bola para cada equipe e os dez time serão posicionados de 1 a 10. O procedimento se repetirá até o chaveamento de todos os clubes dos quatro grupos do bloco 1. Na sequência, haverá o sorteio dos grupos do bloco 2, que começará pelo grupo H subindo até o grupo E, quando então todos os adversários serão conhecidos. Importante lembrar que este sorteio não tem influência nos confrontos da próxima fase da Copa do Brasil. Haverá um novo sorteio para definir os confrontos das oitavas de final. Acesso da imprensaO sorteio da primeira fase da Copa do Brasil será realizado no auditório da sede da CBF, no Rio de Janeiro. O credenciamento de jornalistas para o evento terá início às 12h, na recepção da confederação. A CBF TV vai transmitir o sorteio ao vivo, através do site oficial da CBF (www.cbf.com.br). Todos os veículos de imprensa estão autorizados a utilizar as imagens desta transmissão . Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Confira os critérios para o sorteio da 1ª fase
Na tarde da próxima segunda-feira (11), a CBF realiza o sorteio dos confrontos da primeira fase da Copa do Brasil. Para distribuir as equipes nas chaves e definir os confrontos, a Diretoria de Competições estabeleceu um critério através do Ranking Nacional de Clubes da CBF (RNC). Os 80 participantes da primeira fase serão divididos, de acordo com suas posições no RNC, em dez grupos com oito clubes, identificados de A a H – se dois times estão na mesma posição no RNC, considera-se o Ranking Nacional de Federações. Em cada grupo, os clubes serão ordenados em função de suas posições no RNC, para determinar a sequência do sorteio. Os dez primeiros serão do Grupo A; os dez seguintes, do Grupo B, e assim sucessivamente até o Grupo H. A ordem do sorteio para definição dos posicionamentos dos clubes no chaveamento será a seguinte sequência: A, B, C, D, H, G, F e E. Os confrontos se darão entre os times dos seguintes grupos: AxE, BxF, CxG e DxH. O sorteio será realizado na próxima segunda-feira (11), às 14h30, na sede da CBF, no Rio de Janeiro. A CBF TV transmite o evento ao vivo, através do site oficial: www.cbf.com.br. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Sorteio da Copa do Brasil: acesso da imprensa
A Diretoria de Competições da CBF realizará, no dia 11 de janeiro (segunda-feira), o sorteio para a definição dos confrontos da Primeira Fase da Copa do Brasil de 2016. O evento está marcado para 14h30, no auditório da sede da CBF. O credenciamento para acesso dos jornalistas será feito a partir das 12h, na recepção da CBF. As emissoras que vão transmitir e precisam entrar na área da sede com caminhão devem entrar em contato com Jorge Tripoli, pelo telefone (21) 35720-2011, até quinta-feira (7/01). Todos os veículos da imprensa podem utilizar as imagens da CBFTV, que fará a transmissão ao vivo do sorteio da Copa do Brasil pelo site oficial da CBF (www.cbf.com.br). Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Palmeiras venceu rival com ídolo inspirado
"A Copa do Brasil foi excelente". As palavras do diretor de Competições, Manoel Flores, retrata o sucesso que foi a edição 2015 do campeonato mais democrático do futebol brasileiro. Não faltaram emoção, gols e rivalidade. Com estádios lotados e jogos decisivos durante todo o torneio, a Copa do Brasil 2015 foi marcado pelas grandes partidas e belas festas promovidas pelas torcidas em todos os cantos do Brasil. Dois últimos sobreviventes do mata-mata, Santos e Palmeiras protagonizaram uma final emocionante e bastante disputada. Após dois embates em alto nível a decisão foi para os pênaltis e, empurrado por cerca de 40 mil torcedores, no Allianz Parque, o Palmeiras saiu vitorioso e se sagrou tricampeão da Copa do Brasil. O Campeão Pela terceira vez em sua história o Palmeiras se sagrou campeão da Copa do Brasil (1998, 2012 e 2015). A trajetória vitoriosa se iniciou no dia 4 de março quando bateu o Vitória da Conquista por 4 a 1, eliminando o jogo de volta. Na segunda fase, o Verdão eliminou o Sampaio Corrêa-MA. Em seguida, a vítima da vez foi o ASA-AL. O sorteio das oitavas de final colocou o Cruzeiro no caminho e, com duas vitórias, o alviverde paulista garantiu a classificação. Nas quartas de final, o Palmeiras contou com a força de sua torcida para reverter a desvantagem do primeiro jogo e se classificar. Na semifinal contra o Fluminense, o placar de 2 a1 se repetiu, com um triunfo para cada lado, e a vaga na final foi definida nos pênaltis. Na final, o Palmeiras novamente mostrou o poder de reação para reverter a derrota por 1 a 0 sofrida na Vila Belmiro. Decidindo em casa, com recorde de público do Allianz Parque, o time comandado por Marcelo Oliveira venceu por 2 a 1, com dois gols do atacante Dudu e levou a decisão para os pênaltis. Com Fernando Prass inspirado – que, além de fechar a série palmeirense, pegou duas cobranças – o Palmeiras levantou o troféu da competição nacional para a festa de sua torcida. Festa nas arquibancadas De dimensões continentais, com regiões bem distantes, a Copa do Brasil permite que grandes clubes enfrentem adversários, nas mais longínquas cidades, que não disputam a Série A do Brasileiro. Tal característica faz com a que a paixão pelo futebol aflore e ultrapasse todas as fronteiras. Mais uma vez, nesta edição, os adeptos de de clubes tradicionais e muito populares em suas regiões puderam demonstrar sua força e empolgação não só em casa como fora. Desfilando as cores de suas agremiações, as torcidas de Paysandu e Ceará fizeram bonito mesmo longe de seus domínios. Nos jogos das oitavas de final, torcedores do Papão da Curuzu e do Vozão de Fortaleza compareceram em bom número ao Maracanã e ao Morumbi, respectivamente, e apoiaram suas equipes. Rivalidade em alta Os clássicos regionais apimentaram ainda mais a reta final da Copa do Brasil 2015. Além da grande final, disputada por Santos e Palmeiras, outras classificações foram definidas em clássicos regionais. Nas oitavas de final, Santos x São Paulo e Vasco x Flamengo agitaram paulistas e cariocas. Na semifinal, Corinthians e Santos duelaram por uma vaga na decisão. Gratas surpresas nas Oitavas Ituano, Paysandu e Ceará mostraram a força de suas equipes e alcançaram as oitavas de final. Grandes surpresas desta edição, as três equipes duelaram de igual para igual com Internacional, Fluminense e São Paulo. Autor de um belo gol de falta contra o Fluminense no Maracanã, o lateral-direito Pikachu foi o grande destaque do Paysandu no ano e ajudou o Papão a igualar a melhor campanha do clube na competição. Artilheiro Com um faro de gol apurado, o atacante Gabriel fez jus ao seu apelido – "Gabigol" – e terminou a competição como artilheiro com oito gols. O jovem atacante formou junto com o vice-artilheiro Ricardo Oliveira o ataque mais positivo da Copa do Brasil 2015. A dupla santista anotou 14 dos 25 marcados pelo alvinegro paulista. Mudanças na Copa do Brasil Diretor de Competições Manoel Flores anunciou a implementação de duas novidades para a Copa do Brasil 2015. Além da aplicação do sorteio para definir os confrontos das quartas de final, o gol fora de casa deixou de ser um critério de desempate para definir o grande campeão. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Galeria Nikon
#FlashesCopaSadiadoBrasil2015
Grêmio x Fluminense - Quartas de final da Copa Sadia do Brasil...
Leia Mais...
Notícias
Confrontos da 1ª Fase serão definidos em janeiro
A diretoria de Competições anunciou nesta quinta-feira (17) que o sorteio para a definição dos confrontos da Primeira Fase da Copa do Brasil de 2016 será no dia 11 de janeiro, às 14h30, no auditório da sede da CBF. Além dos representantes dos clubes participantes da competição e federações correspondentes, esportistas e torcedores em geral podem acompanhar o evento, que é aberto ao público. Os interessados também poderão acompanhar o sorteio pelo site oficial da CBF. A CBFTV transmitirá ao vivo. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Santos domina prêmios de artilheiro em 2015
Foi difícil parar o ataque do Santos em 2015. O casamento de juventude e experiência deu resultado, e o Alvinegro Praiano colecionou artilharias na temporada e conseguiu um feito inédito: ter os atletas com o maior número de gols em três competições no mesmo ano. No Campeonato Paulista, o recém-contratado Ricardo Oliveira, aos 35 anos, foi artilheiro com 11 gols, e ainda levantou a taça. No Campeonato Brasileiro, a boa fase continuou. O camisa 9 da Vila seguiu balançando redes, infernizando a vida das zagas adversárias. Mais uma vez, Oliveira foi artilheiro: 20 gols anotados. A grande forma do centroavante rendeu convocação para a Seleção Brasileira, depois de 11 anos sem vestir a amarelinha. Já na Copa do Brasil, a juventude fez a diferença. Atleta da Seleção Olímpica, Gabriel marcou oito gols e foi, pela segunda vez consecutiva, artilheiro da competição. Finalista, o Peixe teve também o vice-artilheiro, Ricardo Oliveira (seis gols), e o terceiro colocado, Marquinhos Gabriel (cinco gols). RICARDO OLIVEIRA Nome: Ricardo de OliveiraNascimento: 06/05/1980Local: São Paulo (SP)Altura/peso: 1.82 / 81kgClubes: Portuguesa (2000-2002), Santos FC (2003), Valencia-ESP (2003-2004), Real Bétis-ESP (2004-2006), São Paulo (2006 e 2010), Milan-ITA (2006-2007), Zaragoza-ESP (2007-2009), Al-Jazira-EAU (2009 e 2010-2013), Al-Wasl-EAU (2014). GABRIELNome: Gabriel Barbosa AlmeidaNascimento: 30/08/1996Local: São Bernardo do Campo (SP)Altura/peso: 1.76 / 68kgClubes: Santos (2013). Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Prass e a vitória palestrina em 2015
Bola posicionada na marca da cal. O cobrador dá um, dois, três passos para trás. Olhar fixo na bola. Sai o chute, e voa um gigante vestido de azul para espalmá-lo para longe do gol palmeirense. Fernando Prass já havia sido decisivo pelo Palmeiras antes. Não é a primeira vez que ele salva o clube em uma disputa por pênaltis. Não é a primeira vez em que sai de campo ovacionado. Mas, entre todos os momentos do goleiro com a camisa alviverde, a final da Copa do Brasil de 2015 será sempre um dos mais lembrados. Afinal, ele decidiu o título nos pênaltis, com uma defesa e um gol na disputa. O gol que encerrou a competição. Na memória palestrina, estarão as defesas de Prass na Série B de 2013. A maneira como se transformou em um símbolo do clube em tão pouco tempo. As disputas de pênalti contra Corinthians e Fluminense em 2015. Cada dia em que o Palmeiras precisou e teve a ajuda do goleiro para seguir adiante. Para lutar por mais um dia. Aos trancos e barrancos. De uniforme sujo, corpo suado e dever cumprido. Ainda assim, entre todas as lembranças, se destacará a da noite de título no Allianz Parque. Porque Fernando Prass nunca foi tão Palmeiras como na partida diante do Santos. Prass nunca foi tão Palmeiras porque nunca foi tão Marcos. Cada torcedor palmeirense lembrou-se e pediu ao santo goleiro que eliminou rivais com suas defesas para que iluminasse Fernando. Prass nunca foi tão Palmeiras porque nunca foi tão líder. Feito um César Sampaio sem braçadeira, comandou o time e foi, ao lado de Zé Roberto, um dos pontos de equilíbrio da equipe. Por fim, Prass nunca foi tão Palmeiras porque nunca foi tão Evair para, com a frieza reservada apenas aos grandes da história, decidir um título com uma cobrança de pênalti. Foi inspiração até para Dudu, que teve a mais edmundiana de suas noites, com lágrimas, gols e raça. Depois de sacramentar a conquista com o gol marcado, Prass saiu correndo em direção à torcida. Cercado por seus companheiros, foi abraçado, cumprimentado, festejado. Estava completa a simbiose entre clube e jogador. Estava definido o campeão da Copa do Brasil de 2015. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Título do Verdão em imagens
Empurrado pela torcida, Palmeiras vence o Santos por 2 a 1 e, nas cobranças de pênaltis, leva a Copa do Brasil. Veja as fotos da festa alviverde Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Herói da final, Fernando Prass celebra título
Uma noite mágica para a nação palmeirense na Allianz Parque. O Palmeiras sagrou-se campeão da Copa do Brasil ao vencer o Santos por 2 a 1 no tempo normal e por 4 a 3 nas penalidades máximas. Além do triunfo, o título de herói tem um dono: Fernando Prass. O arqueiro alviverde foi fundamental na campanha do clube, fazendo grandes defesas e convertendo a última penalidade, fazendo a festa de todos os palmeirenses presentes na arena. E o goleiro só tem motivos para comemorar, já que também foi escolhido como o melhor goleiro da competição. Grandezas que, em outras épocas, não passariam pela cabeça do camisa 1 do Verdão. – Não dá para descrever o que aconteceu. Eu, o Cristaldo, o Mouche, o Nathan, o Fábio e o Jaílson sofremos muito o ano passado, essa hora a gente estava aqui chorando de alívio. E hoje estamos conquistando um título nacional. É demais, não dá para explicar. Nunca imaginei fazer o gol do título. Para falar a verdade nem sei onde eu bati. Tem que comemorar muito! – disse Fernando Prass, lembrando que no ano passado o Verdão quase foi rebaixado para a Série B. Fonte: site oficial do Palmeiras Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Galeria Nikon
#FlashesCopaSadiadoBrasil2015
São Paulo x Vasco - Quartas de final da Copa Sadia do Brasil...
Leia Mais...
Notícias
Paulo Nobre vibra: "Palmeiras se superou"
O título da Copa do Brasil deixou jogadores, comissão técnica, diretoria e torcedores do Palmeiras extremamente emocionados. Entre todos, porém, uma pessoa tinha um motivo especial para olhar para trás e vibrar. O presidente do Alviverde, Paulo Nobre, assumiu o posto em 2013, quando o time estava na Série B, trouxe o clube de volta à elite, o salvou de um novo rebaixamento em 2014 e completou a volta por cima com a conquista da noite da última quarta-feira (2). Após a final, ainda no gramado da Allianz Parque, ele lembrou as dificuldades que passou para montar essa equipe campeã. – Meu primeiro biênio como presidente não agradou o palmeirense. Pegamos o clube falido em 2013, na segunda divisão, e fizemos trabalho sem dinheiro algum para voltar. Era obrigação nossa, mas o torcedor também queria ter ganhado a Libertadores, Copa do Brasil e Paulista daquele ano. Não faltou sangue na veia e raça ao time que se superava cada vez mais. Iniciamos 2014 como favoritos no Paulista, mas caímos na semifinal. Desde então, o ano foi turbulento. Tentamos fazer o possível e o impossível, e aquele mês de novembro de 2014 eu não desejaria a ninguém. Ter a possibilidade de voltar para a segunda foi sofrido, mas permanecemos. Eu sabia das perspectivas em 2015 e do sonho de ter o patrocínio master. Investimos no sócio-torcedor e ninguém acreditou que podia crescer. Em 2015, tudo começou a acontecer: o sócio-torcedor cresceu em função do novo time, vieram os patrocínios, que deixaram o Palmeiras em situação inimaginável, pois conseguimos o maior patrocínio da historia do nosso centenário. Tivemos a camisa mais cara do Brasil e fomos na contramão dos ‘especialistas' que dizem saber de futebol – lembrou o presidente. Paulo Nobre também exaltou a campanha do Palmeiras, que encontrou adversários pesados na Copa do Brasil e conseguiu vitórias marcantes. Contra o Internacional, nas quartas de final, o Alviverde garantiu a classificação com uma vitória suada. Na semifinal, eliminou o Fluminense nos pênaltis. Na decisão, fez o resultado que precisava para ser campeão nos minutos finais, sofreu um gol em seguida, mas novamente brilhou nos pênaltis. Em todos os esses momentos de superação houve uma coincidência: o apoio da torcida na Allianz Parque. – Agradeço a torcida do Palmeiras por tudo o que fizeram durante os 90 minutos de cada jogo. Nos jogos mais complicados, o Palmeiras se superou, mostrando o brio desse elenco, a qualidade da comissão e de todos os profissionais envolvidos. Começamos a colher o que plantamos com responsabilidade. O Palmeiras tem em seu DNA as vitórias e o título. De nada adiantaria a gestão se não existissem frutos. Esse grupo merece, fez por onde para chegar e se consagrou ao final da temporada com esse título. Fonte: site oficial do Palmeiras Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Manoel Flores: "Copa do Brasil foi excelente"
A Sociedade Esportiva Palmeiras foi a grande campeã da Copa do Brasil 2015. A torcida alviverde bateu o recorde de público na Allianz Parque, com mais de 39 mil presentes, e reafirmou o quanto a competição mexe com os apaixonados por futebol no país. O diretor de Competições da CBF, Manoel Flores, ainda no palco de entrega do troféu e medalhas, avaliou a edição 2015 e ressaltou que a grande presença do torcedor é um atestado de que a Copa do Brasil mais uma vez foi um grande sucesso. – O campeonato foi excelente como tem sido nos últimos anos. É uma competição que é uma delícia de fazer e de acompanhar. Eu torço para que continue assim e a cada ano cresça ainda mais. A Copa do Brasil sempre é muito democrática, com o país inteiro envolvido – lembrou Flores. Ele destacou as mudanças promovidas nesta edição. O gol fora de casa deixou de ser critério de desempate. A novidade apareceu já no seu primeiro ano no regulamento. – Nós tivemos mudanças nessa edição e ela veio a surtir efeito justamente na final deste ano, que foi o gol fora não valendo como critério de desempate na decisão – explicou Manoel. O diretor espera que em 2016 o campeonato seja ainda melhor e que continue envolvendo o torcedor brasileiro: – Estamos trabalhando muito para que ela continue a evoluir, buscando inovar, caprichar e ano que vem vamos manter o mesmo nível. Os clubes enxergam a importância da Copa do Brasil. Uma festa como essa só vem para coroar o belíssimo campeonato que organizamos. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Nos pênaltis, Palmeiras é campeão diante do Santos
Em mais um jogo com emoção de minuto em minuto, Palmeiras e Santos decidiram o título da Copa do Brasil 2015 nesta quarta-feira (2), diante de quase 40 mil pessoas, no Allianz Parque. Após perder a primeira partida por 1 a 0, o Alviverde conseguiu a vitória por 2 a 1, com dois gols de Dudu, e levou a decisão para os pênaltis – a primeira na história da competição. Tendo o goleiro Fernando Prass como um dos principais destaques do time, o Palmeiras chegou ao tricampeonato do torneio ao vencer por 4 a 3, com direito a uma defesa e a um gol do camisa 1. O jogo Precisando da vitória por mais de dois gols de diferença para ser campeão, o Palmeiras chegou perto de abrir o placar já na saída de bola. Aos dez segundos de jogo, Arouca tocou, Barrios desviou a bola e colocou Gabriel Jesus na cara do gol do Santos. O camisa 33 chutou, e Vanderlei fez sua primeira boa defesa da noite. O Peixe devolveu aos sete minutos. Após ótima jogada individual pela esquerda, Zeca tocou para Marquinhos Gabriel, que acabou parado na defesa de Fernando Prass. No rebote, Victor Ferraz mandou uma bomba que explodiu na trave palmeirense. Outra boa oportunidade do Palmeiras no primeiro tempo foi aos 27 minutos, quando Robinho cruzou da direta e a bola sobrou para Barrios, que desviou de cabeça e obrigou Vanderlei a fazer uma linda defesa. Antes do intervalo, o Santos teve que substituir o zagueiro David Braz, com dores na virilha, por Werley. O time palmeirense também precisou mudar. Gabriel Jesus voltou a sentir dores no ombro direito, que o tiraram de campo no início do primeiro jogo, na Vila, e deu lugar a Rafael Marques. Na volta do intervalo, o Palmeiras novamente saiu com tudo. Na saída de bola, Zé Roberto disparou pela esquerda, mas chutou cruzado e errado. Após insistir em bolas aéreas e chutões no primeiro tempo, os times passaram a colocar mais a bola no chão. E assim saiu o gol do Palmeiras, aos 11 minutos. Barrios deu bom passe para Robinho, que tocou de lado para Dudu apenas desviar de Vanderlei e marcar: 1 a 0. Aos 39, o objetivo palmeirense foi alcançado. Cristaldo sofreu falta de Paulo Ricardo, e Robinho cobrou. Vitor Hugo desviou a bola para o meio da área, que passou por três defensores do Santos e sobrou para Dudu empurrar para o fundo da rede e marcar o segundo do Palmeiras. O resultado ia garantindo o título ao Alviverde, mas, aos 41, Marquinhos Gabriel cobrou escanteio e a bola sobrou livre para Ricardo Oliveira marcar para o Santos: 2 a 1. Apito final e pênaltis! Pelo lado do Palmeiras, Zé Roberto, Jackson, Cristaldo e Fernando Prass converteram as cobranças, enquanto Rafael Marques foi parado na defesa de Vanderlei. No Santos, Marquinhos Gabriel chutou por cima do gol, e Prass defendeu a cobrança de Gustavo Henrique. Geuvânio, Lucas Lima e Ricardo Oliveira fizeram. Com a vitória por 4 a 3, o Palmeiras garantiu o título. Festa da imensa torcida palmeirense em todo o Brasil. Palmeiras é o legítimo campeão da Copa do Brasil 2015 e disputará a Libertadores 2016. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Edu Dracena, decisivo no Santos em 2010
Zagueiros não costumam estampar as capas de jornais, nem figurar os debates de craque do campeonato. Sem levar muito crédito, muitas vezes pouco notados, eles passam boa parte do jogo vendo os seus companheiros de costas e o gol adversário a 30, 40 metros. Em um time muito ofensivo e com um ataque tão destacado como o Santos de 2010, o fato de passarem desapercebidos fica ainda mais evidente. Mas a teimosia irônica do futebol novamente se fez presente na final da Copa do Brasil daquele ano. Em um time com Neymar, Paulo Henrique Ganso, Robinho e André, coube ao zagueirão Edu Dracena fazer o gol que garantiu o título do Peixe. – O Santos tem uma cultura de valorizar o atacante, mas, na verdade, existe todo um sistema ofensivo, do qual os zagueiros também fazem parte – explicou Dracena, em entrevista ao site da CBF. Da cabeça de Edu nasceram dois dos 39 gols do Santos naquela Copa do Brasil. E foram marcados nos momentos em que o Santos mais precisava da ajuda do elemento surpresa em seu sistema ofensivo. Contra o Atlético-MG, fora de casa, o zagueiro deixou a sua marca, mas foi contra o Vitória que ele ofuscou todos os outros jogadores do ataque santista. – Foi um dos momentos mais legais da minha carreira. Inesquecível. Eu já havia marcado contra o Atlético-MG, mas essa foi realmente marcante. Líder por natureza, Edu não precisou de mais do que seus 29 anos (à época) para ser encarado como um veterano pelo jovem grupo santista. Não à toa, foi capitão da equipe nas conquistas que vieram nos anos seguintes, como a Copa Libertadores da América e a Recopa Sul-Americana. – No Brasil, se você está perto dos trinta, muita gente te considera velho. Mas perto de Neymar, Ganso, André e outros garotos, claro que um jogador como eu, de experiência internacional e com convocações para a Seleção Brasileira, poderia ser considerado o mais experiente. A experiência deu a Dracena a noção exata do gol que estava fazendo. Que ali, naquele momento, o Santos vencia seu primeiro título da Copa do Brasil e uma geração toda ganhava seu espaço no país. – A gente estava no segundo tempo e, embora tenha tomado a virada, sabia que o título estava garantido. O grupo inteiro era muito bom. E pra que Neymar e Ganso brilhassem, havia uma engrenagem forte e bem armada que dava sustentação. Craque ganha jogo. Grupo ganha campeonato. Após vencer a primeira partida por 2 a 0 em casa, o Santos foi derrotado por 2 a 1 pelo Vitória em Salvador, gol de Edu Dracena, garantindo assim o título da Copa do Brasil de 2010. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Marcos Assunção: a bola parada que decidiu em 2012
Falta para o Palmeiras na entrada da área, exatamente no local onde aquele time de camisa verde já havia escrito vários de seus gols. O protagonista seria o mesmo: o capitão Marcos Assunção. Na mais importante de todos as bolas paradas da competição, o volante cruzou para a área e Betinho tirou o grito de "é campeão!" preso na garganta da torcida palmeirense há quatro anos – o último título da equipe havia sido o Campeonato Paulista de 2008. Foi naquela quarta-feira, 11 de julho de 2012, que o Palmeiras conquistou o bicampeonato em cima do Coritiba e se consagrou campeão da Copa do Brasil. Um momento que marcou a história e a carreira do capitão Marcos Assunção, peça chave na campanha do clube naquele ano. A conquista do título fez de Assunção um dos maiores ídolos da torcida palmeirense da atualidade. – Desde a saída do hotel sabíamos que o título não podia escapar. Entramos em campo com a vantagem de ter ganho o primeiro jogo por 2 a 0 na Arena Barueri, mas sabíamos da pressão vinda da torcida adversária e principalmente da equipe do Coritiba, que faria de tudo pela vitória. Mas entramos concentrados, tranquilos e confiantes, e, mesmo depois que o time paranaense abriu o placar por 1 a 0, continuamos focados no jogo e buscamos o empate. E o gol veio exatamente de uma falta cobrada por mim e cabeçeada por Betinho. Naquela hora só passou pela minha cabeça: acabou, somos campeões – revelou em entrevista exclusiva ao portal da CBF. Assunção, que ficou dez anos defendendo times no exterior – Roma, Real Betis, Al-Ahli e Al Shabab – não poderia ter presente maior ao voltar para o Brasil: levantar a taça da Copa do Brasil em 2012. – Me orgulho muito de ter sido capitão daquela equipe em 2012. Eu sabia que era um título muito importante para o Palmeiras, que não conquistava nada há quatro anos, por isso foi tão significativo e motivo de tanta felicidade para mim. Com certeza a cobrança de falta no empate por 1 a 1 e a hora que levantei a taça foram os momentos mais memoráveis na minha passagem pelo Palmeiras – contou. Na expectativa para a final da competição deste ano – três anos após a grande conquista em 2012 – o Palmeiras enfrenta o rival paulista Santos em busca do tricampeonato. O duelo, que se iniciou quarta-feira passada com vitória do Santos por 1 a 0, termina nesta quarta-feira (2). E se em 2012 o Palmeiras não teve a sorte de levantar o troféu em casa, seria hoje que o Allianz Parque se tornaria palco desta nova conquista? – Palmeiras e Santos são dois times que eu tenho muito carinho e respeito. Foram dois anos atuando pelo Santos, clube que me deu uma grande projeção no cenário nacional e mundial, e ofereceu a minha primeira chance como jogador da Seleção Brasileira. E o Palmeiras me deu o grande prazer de levantar um título tão importante. Além disso me sinto muito honrado em ter vestido a mesma camisa 10 que dois grandes ídolos do futebol: a 10 de Pelé pelo Santos e a 10 de Ademir da Guia pelo Palmeiras. Acredito que será uma partida bem difícil, mas a equipe que conquistar o título eu vou ficar muito satisfeito – disse o capitão. *"Heróis da Copa do Brasil" é uma série de matérias especiais do portal da CBF sobre grandes personagens das últimas 10 edições do torneio. Quando Santos e Palmeiras decidirem a Copa do Brasil de 2015, histórias como as de Marcos Assunção surgirão e outros heróis serão formados. Candidatos não faltam. Veja mais da série: Em 2006, um gol mudou a história de Juan no Fla O gol de Léo Aro que eternizou o Paulista de 2005 Roger, o predestinado tricolor em 2007 Magrão, o ídolo do Sport em 2008 William, o capitão do Corinthians de 2009 Hernane, o Brocador do Flamengo em 2013 2014: O título das defesas incríveis de Victor, do Atlético-MG Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Galeria Nikon
#FlashesCopaSadiadoBrasil2015
Palmeiras x Internacional - Quartas de final da Copa Sadia do Brasil...
Leia Mais...
Notícias
Até onde foram os campeões na Libertadores?
Santos ou Palmeiras? O campeão da Copa do Brasil 2015, além de garantir um título nacional no ano para a sua torcida, também conquista uma vaga na Taça Libertadores da América do próximo ano, a principal competição Sul-Americana de clubes. Em 26 anos, as equipes brasileiras classificadas pela Copa do Brasil costumam ter um desempenho não muito empolgante na Liberta. Contudo, na maioria das vezes, os times passaram à segunda fase e só caíram em etapas finais do torneio. Apenas quatro clubes foram campeões da América após participação garantida através da Copa do Brasil: Grêmio, Cruzeiro, Palmeiras e Santos. Já o Santo André, Paulista, Juventude, Flamengo, Internacional e Grêmio são os únicos desse conjunto de clubes que ficaram ainda na primeira fase. Confira abaixo como os clubes campeões da Copa do Brasil foram na Libertadores, no ano seguinte: 1990- Grêmio ficou na fase de grupos em último colocado do grupo, que tinha o Olímpia, Cerro Portenho e Vasco da Gama. 1991- Flamengo caiu nas quartas de final para o Boca Juniors. 1992- Criciúma caiu nas quartas de final para o São Paulo, que foi o campeão daquele ano. 1993- Internacional ficou na fase de grupos, terminou em último lugar. 1994- Cruzeiro caiu nas oitavas de final para o Union Espanhola. 1995- Grêmio foi campeão sobre o Atlético Nacional. 1996- Corinthians caiu nas quartas de final para o Grêmio, o então atual campeão da Libertadores. 1997- Cruzeiro foi campeão sobre o Sporting Cristal. 1998- Grêmio caiu nas quartas de final para o Vasco da Gama. 1999- Palmeiras foi campeão sobre Deportivo Cali. 2000- Juventude ficou na fase de grupos em 3º do grupo que tinha o então atual campeão Palmeiras. 2001- Cruzeiro caiu nas quartas de final para o Palmeiras. 2002- Grêmio caiu nas semifinais para o Olímpia, campeão daquele ano. 2003- Corinthians caiu nas oitavas de final para o River Plate. 2004- Cruzeiro caiu nas oitavas de final para o Deportivo Cali nos pênaltis. 2005- Santo André ficou na fase de grupos em 3º lugar. 2006- Paulista ficou na fase de grupos em último no seu grupo. 2007- Flamengo caiu nas oitavas de final para o Defensor. 2008- Fluminense foi vice-campeão. Perdeu para a LDU do Equador. 2009- Sport caiu nas oitavas de final para o Palmeiras. 2010- Corinthians perdeu nas oitavas de final para o Flamengo. 2011- Santos foi campeão sobre o Penarol 2012- Vasco caiu nas quartas de final para o Corinthians, que sagrou-se campeão naquele ano. 2013- Palmeiras caiu nas oitavas de final para o Tijuana. 2014- Flamengo caiu na fase de grupos, ficou em 3º. 2015- Atlético Mineiro caiu nas oitavas de final para o Internacional. Campeões: 4 (Santos, Palmeiras, Grêmio e Cruzeiro) Vice-campeões: 1 (Fluminense) Semifinais: 1 (Grêmio) Quartas de final: 6 (Flamengo, Criciúma, Corinthians, Grêmio, Vasco e Cruzeiro) Oitavas de final: 8 (Atlético Mineiro, Palmeiras, Sport, Flamengo, Cruzeiro por duas vezes e Corinthians por duas vezes) Fase de grupo: 6 (Santo André, Paulista, Juventude, Flamengo, Internacional e Grêmio) Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Palmeiras e Santos disputam o Brasil
O último capítulo da rivalidade entre Santos e Palmeiras em 2015 será escrito na noite desta quarta-feira no gramado do Allianz Parque, em São Paulo. A partida, que começa às 22h (de Brasília), decidirá com qual das duas equipes fica a Copa Sadia do Brasil 2015, o último título em disputa na temporada do futebol brasileiro. Depois de 156 jogos e 78 eliminações, o torneio mais democrático do futebol brasileiro chega à sua grande decisão. Após o Santos ganhar por 1 a 0 na Vila Belmiro no jogo de ida, só a vitória interessa ao Palmeiras. Se o Alviverde vencer por um gol de diferença, o título será decidido nos pênaltis. Se construir uma vantagem de dois gols ou mais, será o campeão.. Para acompanhar melhor a final, fique por dentro de cada detalhe da partida mais importante das temporadas de Palmeiras e Santos em 2015. - Dúvida e desfalque O Palmeiras não sabe se poderá contar com o atacante Gabriel Jesus na decisão desta quarta. O atacante deixou o jogo de ida com uma lesão no ombro e sua presença no duelo é questionável. A ausência do lateral-direito Lucas, porém, é certa. O palmeirense foi expulso na Vila Belmiro e cumpre suspensão no Allianz Parque. - O caminho das pedras Chegar à final da Copa do Brasil não é nenhum segredo para os técnicos de Palmeiras e Santos. O mesmo não se pode dizer, porém, sobre a sensação de levantar a taça de campeão do torneio. Dorival Junior também era o técnico do Santos quando o Alvinegro Praiano conquistou o único título do torneio de sua história em 2010. Marcelo Oliveira, por outro lado, jamais venceu a Copa do Brasil, apesar de já ter chegado a três finais dirigindo Coritiba (2011 e 2012) e Cruzeiro (2014). Nas três oportunidades, perdeu a primeira partida jogando fora de casa e não conseguiu reverter o cenário na volta. - Nem tantos campeões Se os técnicos já estiveram na final da Copa do Brasil, ser campeão do torneio não é algo tão comum para os jogadores de Santos e Palmeiras. Dos 28 jogadores que participaram da primeira partida da final, apenas dois têm um título da Copa do Brasil. Fernando Prass e Arouca, dois jogadores do Palmeiras, mas que não conquistaram seus respectivos títulos por lá. Arouca venceu com o Santos em 2010, enquanto Prass foi o goleiro do Vasco campeão de 2011. - Inimigos íntimos A primeira partida da final foi repleta de tensão e provocação entre as duas equipes. Depois de muitos confrontos decisivos em 2015, a rivalidade entre os clubes se intensificou. No entanto, há jogadores que conhecem o adversário muito além da rivalidade. É o caso de Arouca, hoje no Palmeiras, que defendeu o Santos entre 2010 e 2014 e foi campeão da Copa do Brasil com o clube. Os seus companheiros de meio-campo também têm um passado no Peixe: Zé Roberto defendeu o Santos em duas temporadas, enquanto Robinho foi atleta do Santos por cerca de quatro anos. Do lado santista, o zagueiro David Braz não só atuou pelo Palmeiras, como foi revelado no Parque Antártica. O meia-atacante Marquinhos Gabriel, por sua vez, fez o caminho inverso ao de Arouca. Após defender o Palmeiras em 2014, se encaminhou à Baixada Santista. - Retrospecto favorável aos dois O retrospecto jogando fora de casa na Copa do Brasil dá confiança ao Santos na decisão. Jogando longe de seus domínios, o Alvinegro derrotou Corinthians, São Paulo, Figueirense e Londrina. A única derrota nas seis partidas fora de casa foi para o Sport, por 2 a 1, placar que, se repetido no Allianz Parque, garante ao menos a decisão por pênaltis. O Palmeiras, por sua vez, venceu quatro das cinco partidas disputadas em casa na competição. Quatro delas, porém, foram por um gol de diferença, com placares que não dão ao Alviverde o título no tempo regulamentar. - Duas vezes artiheiro? O atacante Gabriel Barbosa tem a chance de confirmar, na decisão, a artilharia da Copa do Brasil 2015. Após o tento marcado no primeiro jogo da final, o santista chegou a oito gols nesta edição, três a mais do que os dois jogadores com mais gols que ainda podem ultrapassá-lo: Ricardo Oliveira e Marquinhos Gabriel. Gabriel já foi o artilheiro da edição da Copa do Brasil de 2014 e, caso torne-se o artilheiro de 2015, igualará o atacante Gérson como único a ser artilheiro em edições consecutivas da competição. O ex-atacante foi três vezes artilheiro da Copa do Brasil, um recorde histórico. Se chegar à artilharia, Gabriel se junta a Romário com duas artilharias da Copa do Brasil. - Hegemonia nacional O Palmeiras é o clube com o maior número de títulos nacionais no Brasil: são 10, incluindo oito Brasileiros e duas Copas do Brasil. Já o Santos figura na segunda colocação, com nove conquistas nacionais, e pode igualar o Palmeiras se for campeão nesta quarta. Sucesso na América Mais do que um novo título nacional para a coleção de um dos clubes, a decisão dá também uma vaga na próxima Copa Libertadores da América. Desde que a Copa do Brasil foi criada, Palmeiras e Santos venceram uma Libertadores cada. E nas duas ocasiões as equipes haviam se classificado através do torneio nacional. Antes de ganhar a América em 2011, o Santos de Neymar e cia. conquistou o Brasil em 2010. Foi também o caso do Palmeiras de 1999, que chegou à competição continental como campeões da Copa do Brasil de 1998. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Em 2006, um gol mudou a história de Juan no Fla
A história de Juan no Flamengo nasceu em uma noite de Copa do Brasil. Foi com um chute rasante de perna esquerda que o lateral-esquerdo mostrou e gritou para quem quisesse ouvir: era jogador do Flamengo e, finalmente, campeão da Copa do Brasil. Foi dele o gol que construiu a vitória por 1 a 0 sobre o Vasco da Gama no segundo jogo da final de 2006, que garantiu o título ao Fla. – Depois desse gol as coisas mudaram, tive muito mais confiança das pessoas, dos torcedores – contou Juan, hoje no Coritiba, em entrevista exclusiva ao portal da CBF. Juan conhecia aquele cenário. Um ano antes, esteve na decisão da Copa do Brasil com o Fluminense, e foi derrotado. Por ter vestido o verde, o branco e o grená antes de chegar ao Flamengo, o ofensivo lateral de pernas curtas e jeito marrento recebeu olhares tortos da torcida rubro-negra. Foram dois anos no Flu antes de assumir a camisa 6 do Fla. Tudo se esqueceu no passado, porém, quando o arremate de perna canhota encontrou o fundo da rede do goleiro Cássio. Insandecido, Juan comemorou batendo no peito, puxando o escudo da camisa, presa ao calção, e beijando o símbolo do clube. – Foi uma coisa inexplicável. Uma explosão de tudo o que eu estava vivendo antes do jogo, por ser uma final de campeonato, por ser contra o Vasco. É difícil encontrar palavras para descrever o que senti – revelou Juan. O destino de Juan jamais seria o mesmo depois daquela final. Após a consagração, veio a titularidade, as grandes partidas pelo Flamengo e até a chance de defender a Seleção Brasileira, em 2008, considerado por ele o melhor momento de sua carreira. Além da Copa do Brasil, Juan foi tricampeão carioca de 2007 a 2009, ano em que também foi campeão brasileiro. Para o flamenguista, porém, a noite daquele 26 de julho de 2006 foi muito mais especial do que qualquer convocação. Com o gol, Juan apagou a desconfiança pelo que passou e abriu espaço para escrever uma história de títulos e vitórias com o Rubro-Negro. *"Heróis da Copa do Brasil" é uma série de matérias especiais do portal da CBF sobre grandes personagens das últimas 10 edições do torneio. Quando Santos e Palmeiras decidirem a Copa do Brasil de 2015, histórias como as de Juan surgirão e outros heróis serão formados. Candidatos não faltam. Veja mais da série: O gol de Léo Aro que eternizou o Paulista de 2005 Roger, o predestinado tricolor em 2007 Magrão, o ídolo do Sport em 2008 William, o capitão do Corinthians de 2009 Hernane, o Brocador do Flamengo em 2013 2014: O título das defesas incríveis de Victor, do Atlético-MG Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Lucas Barrios aposta no triunfo para o Palmeiras
A derrota por 1 a 0 para o Santos, na Vila Belmiro, pelo primeiro jogo da final da Copa do Brasil, não abalou a confiança dos atletas do Palmeiras para a partida decisiva, na próxima quarta-feira (2), na Allianz Parque. Mesmo com o time santista tendo a vantagem do empate, a certeza de reverter o placar e ser campeão em casa segue em alta. A importância de terminar o ano com um título em uma temporada onde o Alviverde foi consistente, figurando nas fases finais dos torneios nacionais, também motiva os atletas. Lucas Barrios acredita na capacidade do grupo em reverter o placar. Essa confiança se dá pelo fato do Palmeiras ter revertido o resultado contra o Fluminense, nas semifinais do torneio. Com o estádio lotado e o apoio da torcida, as condições do Alviverde sair campeão do Allianz Parque são totalmente favoráveis. – Eu creio em minha equipe e nos jogadores que temos para ser campeão. Todos creem no Santos campeão, e por que no Palmeiras não? Passamos pelas quartas de final, pelas semifinais e não podemos vencer agora? Foi um golpe duro perder por 1 a 0, mas estamos conscientes de que é muito importante para nós o título. Nós já revertemos outros resultados, como contra o Fluminense e o Internacional. Esperamos que, com os nossos torcedores, a gente possa fazer um grande jogo e comemorar o título do campeonato – afirmou o paraguaio, que enalteceu o clube e a temporada do Verdão em 2015: – A gente já se motiva por jogar em uma equipe grande como o Palmeiras, que possui tantos torcedores. O Palmeiras tem grandes jogadores e já venceu grandes equipes, e por que não podemos vencer o Santos? Estamos com muita confiança e faremos de tudo para terminar o ano bem, nós merecemos. Mesmo com uma equipe nova, nós chegamos à final do Paulistão e agora à final da Copa do Brasil. O ano está muito bom para o Palmeiras, mas necessitamos de um título – disse Lucas Barrios. Palmeiras na Copa do Brasil 2015: Clique aqui e confira a campanha do time na competição. Fonte: Site oficial do Palmeiras Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Experiente, Renato prega seriedade na decisão
Respeito e confiança são palavras de ordem dentro do Santos. Prestes a decidir o título da Copa do Brasil, o time santista prega seriedade para o duelo decisivo contra o rival Palmeiras nesta quarta-feira (2), às 22h, na Allianz Parque. Ciente das dificuldades que sua equipe terá pela frente, o experiente Renato ressalta a necessidade de manter o foco e controlar a ansiedade para levantar o troféu. – Precisamos manter o foco, não ter muita ansiedade. Não temos que mudar muito. Tanto na parte ofensiva, como na defensiva. Precisamos ter muito cuidado com o ataque do Palmeiras. É um ataque de muita velocidade e muita qualidade. Não podemos inventar. Temos de passar tranquilidade para os mais jovens. Final de campeonato é sempre difícil – analisou o meia. Acostumado a grandes decisões, Renato projeta uma final bastante disputada e acredita que será preciso muita luta para sair vencedor do clássico desta quarta-feira. – Nós sabemos que vai ser um grande jogo. Sabemos que vamos ter de correr bastante, vamos lutar muito, pois será um jogo complicado – afirmou. Com o triunfo por 1 a 0 no jogo de ida, na Vila Belmiro, o Santos tem a vantagem do empate. Em caso de vitória simples do Palmeiras, o título da Copa do Brasil será disputado nas cobranças de pênaltis. Santos na Copa do Brasil 2015: Clique aqui e confira a campanha do time na competição. Fonte: Site oficial do Santos Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Galeria Nikon
#FlashesCopaSadiadoBrasil2015
Palmeiras x Internacional - Quartas de final da Copa Sadia do Brasil...
Leia Mais...
Notícias
Fernando Prass, a muralha da Colina em 2011
Domingo é dia de um duelo decisivo entre Vasco e Coritiba, que pode valer a permanência de um dos dois na Série A do Campeonato Brasileiro. Há quatro anos, as duas equipes viviam um outro momento, quando disputavam a final da Copa do Brasil de 2011. Hoje no Palmeiras, na briga por mais um título da competição, Fernando Prass teve seu grande momento desde que voltou ao Brasil naquela edição. O dia era 8 de junho de 2011, quando o goleiro, seguido de Felipe, Éder Luis, Diego Souza, Dedé e Alecsandro, entrava em campo com a vantagem de 1 a 0 no primeiro jogo. O Couto Pereira, um verdadeiro caldeirão verde, ou o inferno verde, estava fervendo. – Dentro do próprio jogo, a torcida fica ansiosa. A gente entende. Eles pedem para o time ir para cima, mesmo que o resultado seja bom. Não é um campeonato longo. Às vezes, o resultado é bom e você tem que ter muita tranquilidade para manter o placar – explicou o goleiro, em papo exclusivo para o portal da CBF. O estádio do Coxa pulsava naquela noite. Todos esperando pela taça. Assim como todos os milhões de vascaínos espalhados por cada canto do mundo. Na fila por um título nacional há 11 anos, cada atleta e torcedor cruzmaltino sabiam da responsabilidade que carregavam, no gramado ou nas arquibancadas. O Vasco entrava em campo campeão. E dessa forma sairia. Assim como no jogo de ida, sobrou para Alecsandro a primeira explosão da final. Apenas um toque na bola. Gol do Vasco: 1 a 0. Porém, com o time da Colina, tudo tem que ser na emoção. O coração tem que bater mais forte. No segundo tempo, Davi e Bill viraram o jogo para o Coritiba. O papel de herói coube a Éder Luis. Em um lance inesperado, o camisa 7 dominou a bola na intermediária, arrastou por alguns metros e disparou de perna direita em direção ao gol. Poucos viram a trajetória da bola. Nem mesmo o goleiro Édson Bastos conseguiu prever o efeito que ela tomaria. Algo que só um time predestinado ao título poderia esperar. Ainda restavam mais de 30 minutos para desentalar o grito. Um detalhe ainda deixaria o fim de jogo mais emocionante. Willian Farias fez o terceiro gol do Coxa. Se o Coritiba balançasse a rede mais uma vez, a taça não iria mais para São Januário. Coube a Fernando Prass ter sua dose de protagonismo. O fim de jogo mexeu até com aqueles que estão acostumados com decisão. Segundo o goleiro, uma cena marcante daquela noite não sai da sua memória. – Lembro que o Felipe e o Diego Souza (no banco de reservas) se agacharam e taparam o rosto para não ver mais nada e a gente ficou sabendo disso depois. Vimos os dois sentados com os olhos cobertos e isso marcou bastante todos nós – recordou Prass. Com o 3 a 2 no placar, o apito final esvaziou o Couto Pereira. Sobrou a torcida vascaína, que estaria presente em qualquer estádio que fosse. Tamanha a festa dos campeões, há quem poderia acreditar que o Couto estava lotado, apenas com os vascaínos. Não estava. A parte das arquibancadas vazias apenas ecoavam os cantos que os cruzmaltinos presentes entoavam. Ou estavam mesmo lotadas dos espíritos vascaínos ausentes. Afinal de contas, o Vasco precisava deles. *"Heróis da Copa do Brasil" é uma série de matérias especiais do portal da CBF sobre grandes personagens das últimas 10 edições do torneio. Quando Santos e Palmeiras decidirem a Copa do Brasil de 2015, histórias como as de Hernane surgirão e outros heróis serão formados. Candidatos não faltam. Veja mais da série: O gol de Léo Aro que eternizou o Paulista de 2005 Roger, o predestinado tricolor em 2007 Magrão, o ídolo do Sport em 2008 William, o capitão do Corinthians de 2009 Hernane, o Brocador do Flamengo em 2013 2014: O título das defesas incríveis de Victor, do Atlético-MG Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Marcelo Oliveira: "Agora é foco na Copa do Brasil"
O Palmeiras se despediu de sua torcida no Campeonato Brasileiro com uma derrota por 2 a 0 para o Coritiba no domingo (29). Porém, não é essa a impressão que o Verdão quer deixar em 2015. Na próxima quarta-feira (02), o time retorna ao Allianz Parque para decidir a final da Copa do Brasil contra o Santos, às 22h (de Brasília). O técnico Marcelo Oliveira lamentou mais uma derrota na Série A, mas destacou que a principal meta do Palmeiras na temporada é conquistar a Copa do Brasil. – A gente nunca tem a perspectiva de perder. Em alguns momentos, nós tivemos de priorizar a Copa do Brasil, e isso ficou óbvio. Além disso, alguns jogadores que a gente vê nos treinamentos tiveram a possibilidade de jogar. Nós perdemos contra um adversário que chegou três vezes, mas o suficiente para nos vencer. Chegamos muito, mas não aproveitamos. Agora é foco na Copa do Brasil, por mais que seja dolorido vestir a camisa do Palmeiras e perder um jogo. Mas, independentemente disso, não nos tira de forma alguma a vontade de ganhar o título. Marcelo comentou também sobre a possibilidade de Gabriel Jesus entrar em campo na decisão. Na ida, na Vila Belmiro, o Palmeiras foi derrotado por 1 a 0, e o atacante saiu de campo lesionado, com uma luxação no ombro. – Se ele estiver bem e treinar, ele jogará normalmente como vem jogando. Não é uma lesão na perna, é uma lesão no ombro, e pode virar uma opção. A gente tem esperança, não está fácil, mas temos dois dias e meio ainda. Fonte: Site oficial do Palmeiras Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
O gol de Léo Aro que eternizou o Paulista de 2005
Se até o dia 22 de junho de 2005 o Paulista de Jundiaí era apenas um pequeno time do interior de São Paulo, depois desta data o clube conseguiu fazer história no futebol brasileiro, confirmando superioridade e raça ao conquistar a taça da Copa do Brasil. Se a predestinação estava a favor do Galo da Japi naquela competição, a sorte gritava bem alto a cada fase garantida. Eram adversários fortes e bem mais reconhecidos que, até então, o pequeno Paulista: Juventude, Botafogo, Internacional, Figueirense, Cruzeiro e Fluminense - equipes que disputavam a Série A do Campeonato Brasileiro. Mas foi com este último que a história foi feita. Foi num São Januário lotado, com mais de 25 mil torcedores do Fluminense, que o Tricolor Jundiaiense mostrou que de pequeno não tinha nada. Apesar do empate por 0 a 0 naquela partida, o resultado conquistado em Jundiaí no primeiro jogo - a vitória por 2 a 0 - fez daquela noite a maior e mais marcante da história do Paulista. No meio daquele elenco vislumbrado, o atacante Léo Aro, mesmo fora de campo, sabia de sua importância na ocasião. – Após ter recebido o terceiro cartão amarelo no primeiro jogo, tive que ficar fora da partida no Rio, mas sabia que minha atuação tinha sido de grande importância no jogo que, no final, foi o do título. Foi um gol e uma assistência. Fiz um corta luz e deixei o Mossoró sozinho para abrir o placar. Depois o Vidal lançou para mim e dei um toque por cima do goleiro para fazer o segundo gol – lembrou o atacante em entrevista ao portal da CBF. Em Jundiaí, o Paulista mostrou sua grandiosidade encerrando a Copa do Brasil sem perder um único jogo em casa. Em seis partidas, foram cinco vitórias e apenas um empate. A conquista acabou projetando e revelando para o futebol nacional e internacional muitos craques daquele elenco de 2005. Alguns nomes como Rafael Bracali, Victor, Cristian, Márcio Mossoró, Fábio Gomes, Fábio Vidal, Dema e Julinho mal sabiam que a partir dali começariam a escrever suas carreiras no futebol. – Nenhum jogador tinha a ambição de ser campeão. Depois que começamos a ganhar de grandes clubes percebemos nossa força, fomos ganhando confiança e empolgação e conseguimos construir um time entrosado e esforçado pronto para lutar pelo título. A visibilidade que teríamos e a busca por maiores objetivos no cenário do futebol nos motivava ainda mais – revelou Léo Aro. Do Paulista de Jundiaí, Léo Aro foi para o Internacional, onde conquistou a Libertadores e o Mundial de Clubes sobre o Barcelona em 2006. A última atuação do atacante foi em 2014 pelo Guarani na disputa da Série C do Campeonato Brasileiro. Atualmente, Léo está fora do futebol. Já o Galo da Japi, depois daquela competição, não conseguiu continuar a progressão de títulos. Na Copa Libertadores da América em 2006 não passou da fase de grupos e em 2007 foi rebaixado para a Série C. Atualmente a equipe disputa apenas o Campeonato Paulista da Série A2 e a Copa Paulista. Há dez anos da maior conquista do clube, alguns outros títulos entraram na estante - Copa Paulista de 2010 e 2011 -, mas jamais se compararão ao triunfo - muito merecido - daquela noite de 2005. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Título das incríveis defesas de Victor
Por décadas o dia 26 de novembro de 2014 será lembrado em Minas Gerais. A quarta-feira que marcou a história do futebol mineiro, com seus dois principais clubes disputando pela primeira vez a final de um torneio nacional, também estará para sempre na memória dos torcedores do Atlético Mineiro e do goleiro Victor, que conquistou a taça naquela noite. A supremacia sobre o rival foi a apoteose de uma campanha marcada por grandes feitos, classificações heroicas e vitórias emblemáticas. – Foi emocionante. Uma conquista inesquecível principalmente pelas viradas que tivemos nas quartas e nas semifinais da competição, além dos clássicos finais. Ganhar um título inédito em cima do rival teve uma importância ainda maior para a história do clube. Viver tudo isso dentro do campo foi incrível – relembrou o goleiro, fundamental nas duas vitórias finais. Na ida, 2 a 0 no Estádio Independência. Na volta, 1 a 0 no Mineirão. Se os dois clássicos memoráveis movimentavam o fim do ano em Belo Horizonte, para o goleiro Victor era um momento especial, pois ele vivia a expectativa de repetir o feito de nove anos antes, quando o Paulista de Jundiaí surpreendeu o país ao conquistar a Copa do Brasil diante do Fluminense. Além disso, seria seu quarto título pelo Atlético, todos marcados por defesas decisivas, eletrizantes, definitivas. Antes de chegar àquela final, o Galo deixava claro que estava forte e que tinha "pinta de campeão". Nas quartas de final, após perder para o Corinthians por 2 a 0, em Itaquera, venceu de forma espetacular por 4 a 1, no Mineirão. Na semifinal, o mesmo roteiro. Derrota por 2 a 0 para o Flamengo, no Maracanã, e vitória consagradora por 4 a 1 no Mineirão. – Foram tantos lances maravilhosos que o Atlético proporcionou na competição que fica difícil falar de um só. Mas citaria os gols do Edcarlos, contra o Corintians, e do Luan, contra o Flamengo. Foram sensações surreais – destacou Victor. Além do título, Victor colocou em sua estante um troféu particular, um símbolo de sua importância para aquela conquista, um prêmio pelas atuações impecáveis que levaram o torcedor do Galo ao delírio. – Ser eleito o melhor goleiro do torneio foi motivo de orgulho e serve de inspiração para que eu busque novas vitórias, sejam elas coletivas, sejam individuais. Foram atuações seguras, principalmente nos momentos mais críticos. Pude participar de forma eficiente – ressalta o camisa 1 atleticano, que faz questão de lembrar a determinação e a grandeza de seus companheiros durante toda a campanha. – Foi uma taça merecida, marcada por superação, raça e fé que nossa equipe teve. Uma conquista com a cara do Atlético, ou seja, com fortes emoções – finalizou Victor. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Notícias
Magrão, símbolo do Sport em 2008
Já eram jogados mais de 90 minutos no Morumbi. A torcida corintiana comemorava a vantagem de 3 a 0 no jogo de ida da final da Copa do Brasil 2008, quando Enílton – que havia entrado no segundo tempo – recebeu de Carlinhos Bala e diminuiu o placar. Do outro lado do campo, o goleiro Magrão enxergou a importância daquele gol. A esperança estava renovada. – Quando fizemos o gol do 3 a 1, a gente chegou no vestiário feliz. Dentro de casa nós iríamos reverter. A gente já tinha demonstrado a nossa força em casa. Depois de vencer o Palmeiras, vimos que era possível conquistar o título. Com o 3 a 1, nós saímos tranquilos, tranquilos mesmo. Pode perguntar para qualquer um que estava naquele jogo – contou o goleiro ao site da CBF. O gol de Enílton, no apagar das luzes, fez com que o dia 11 de junho de 2008 entrasse para a história do Sport. Apesar da derrota, cada torcedor acreditava que era possível. E era. Em Recife, o Leão rugiria mais alto. A partida decisiva era na Ilha do Retiro, transbordando de rubro-negros que não deixariam o grito cair nem por um minuto. O time do Sport sabia disso. O Corinthians também. A capital pernambucana estava mais quente que o normal. A Ilha do Retiro era a culpada. Mais de 30 mil torcedores borbulhavam o estádio para empurrar o time. Assim como havia previsto Magrão. Como fez em todos os jogos em casa, o Sport começou a partida pressionando. Carlinhos Bala era o motor da equipe, enquanto Luciano Henrique e Daniel Paulista ditavam o ritmo do meio campo. A pressão era grande. A bola teria que entrar. Depois de martelar, foi Luciano que lançou Bala. O camisa 11 dominou no peito e arrematou cruzado, sem chances para o goleiro Felipe. Faltava um gol para entrar para a história. Nesse momento, apenas Durval e Igor ocupavam o campo de defesa. Quatro minutos depois de abrir o placar, apenas o mais confiante rubro-negro poderia imaginar: após cobrança de escanteio, a zaga corintiana afastou, e a bola voou exatamente para a direção de Luciano Henrique. É nessas horas que o destino de uma final de Copa do Brasil pode ser mudado. Em uma finalização inesperada, o camisa 10 arriscou um chute de canhota, sem deixar ela cair. Para balançar as redes, a bola poderia ter escolhido qualquer canto do goleiro Felipe. Porém, em um golpe de sarcasmo, ela preferiu passar justamente no espaço entre as pernas do jogador, ultrapassando a linha apenas o suficiente para que se confirmasse o gol. A rede sequer foi balançada. A partir daí, as mãos levariam a taça pela volta olímpica minutos mais tarde foram as mesmas que voaram para defender a cabeçada de Fabinho. Foi o momento de Magrão mostrar o porquê de ser ídolo de cada torcedor. O apito final decretou o primeiro título de uma equipe nordestina na Copa do Brasil. – A gente vê a dificuldade em um time nordestino chegar onde chegamos, até hoje isso não se repetiu. Representar Pernambuco e o Nordeste é muito bom. Eu não sou nordestino, sou de São Paulo, mas tenho um carinho muito grande por isso aqui. É uma honra represenar esse povo apaixonado por futebol. Todos eles vibraram – declarou Magrão. A história nordestina está escrita na Copa do Brasil. Graças a Magrão, Carlinhos Bala, Luciano Henrique, Enílton, Durval, Daniel Paulista, Romerito, Nelsinho Baptista. Graças ao Leão da Ilha. Fonte: Assessoria CBF...
Leia Mais...
Galeria Nikon
#FlashesCopaSadiadoBrasil2015
Flamengo x Vasco - Oitavas de final da Copa Sadia do Brasil...
Leia Mais...